terça-feira, 4 de novembro de 2014

JOGO DE AZAR

amar é a troca
amor é o troco
truco
amor é detalhe
amar, espalhe
canastra de copas
você deu as cartas
eu, bobo, joguei o jogo
e meu coração vadio nesse carteado
apostou as fichas
apostou dobrado.
você, full hand
eu, empty heart.
a menina bateu,
doeu
talvez dê sorte nos dados,
prometeu.
não queria ser mico
sem par, nem por
ah, se fosse coringa,
de sorriso menino.
e assim,
saio tonto desse cassino
roda roleta
roda roleta
azar nos jogos de azar.
azar no jogo de amar.

CIDADE


a cidade cresce
enquanto o mundo acontece
a cidade cresce
porque o mundo acontece
e nesse sobe e desce
às vezes a gente esquece
que a cidade fossa
também é cidade nossa
e nesse buzinaço
nesse caos de concreto e aço
vive-se nesse amasso
em tal urbano espaço
e quanta gente sem espaço
e a cidade joga fora
e a cidade escora
tudo que acha que é escória
e quanta coisa com história
viva a cidade-espelho
viva a cidade-aflita
viva a cidade-centro
e a cidade periferia
a cidade sociedade
viva a cidade viva

domingo, 21 de setembro de 2014

POESIA FAST FOOD


Pra uma gente tão fast festa
Pra uma gente tão fast afago
Pra uma gente tão fast foda
Só mesmo uma poesia fast food

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

DIA DE POESIA

Queria um dia só de poesia
E por poesia eu digo você
Porque poesia e a arte do vivo
E você me faz mais vivo ser.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

SOBRE COISAS QUE VEM DO MAR

boneca de porcelana
cansei de você
quebrando na minha mão
e causando conflito 
nesse distrito
que eu chamo coração

nem sei se sou diário
ou estranho
nem sei se sou sol
ou plutão
só sei que nada sei
sou
sou e sinto
e sinto muito

um escorpião me picou
e eu guardei seu veneno
agora eu sempre volto e venho
sem mais nem menos
ás vezes com menos

mas ninguém conhece
ninguém conhece por inteiro
bicho certeiro
tudo bem
tudo que vem do mar
guarda lá os seus segredos

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

SEI LÁ


Queria ir para o lugar
Aquele lugar onde digo que sei
Sei lá
Mas aqui não sei.

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

ÁFRICA

África eterna, moderna
Ancestral, corporal
Dos sentidos, do esculpido
Do real, do seletivo
Da arte, do vivo
De um, de dois, de mil, de mais
Aquela que uma história traz
Do divino, do terreno
Do inicio sem fim, um ciclo assim
Olhar para dentro
Olhar para o centro.

NU


Me dispo de roupas mas não me sinto nu
Guru, como me dispo do corpo?
Me dispo do corpo mas não me sinto nu
Guru, como me dispo da alma?
Me dispo da alma mas não me sinto nu
Por favor, me diga, agora, urgente! 
Guru, como me dispo da mente?

domingo, 13 de julho de 2014

GAROTA DAS ASAS DE PÉTALAS


A garota tinha asas de pétalas, cada qual correspondente a uma arrancada duma flor, durante um verso de mal me quer. Majestosas asas, diga-se de passagem.

A garota tinha um vestido de papel, ilustrado com as palavras de cartas nunca entregues ao seu destinatário. Cartas de amor.

A garota tinha olhos de cristal, que refletiam todo o brilho no olhar dirigido a ela e transformavam tal brilho em amanhecer.

Coitada da garota de asas de pétalas, vestido de papel e olhos de cristal, mal sabia que mal fazia à tantos amores. À tantos amantes. Não fazia por mal. Sabia tampouco como era gêmea alma de vários.

E num rápido sobrevoo tal figura de aspectos divinos vai embora, deixando para trás muitos corações partidos. E quando vejo tal figura voando corro atrás gritando, "meu caso é mais sério!", esqueci o meu coração no seu bolso.

sexta-feira, 11 de julho de 2014

terça-feira, 8 de julho de 2014

SANTA IGNORÂNCIA


Não me guiam os astros
Em mim não mandam os deuses,
Nem outros fantásticos seres.
De minha vida tomo o mastro

Sou homo sapiens sapiens
Sapiens sapiens sapiens...
Incorruptível,
Racionalíssimo!
Fruto da seleção de espécies!!

Mas às vezes algo mexe,
Às vezes algo não desce.
Então eu engulo em seco, 
Deito de conchinha,
Verto uma lágrima
E peço a Deus, apenas,
Uma dose de 'santa ignorância'.


sábado, 28 de junho de 2014

CAOS


Era uma vez um menino chamado caos, dono de uma mente caótica coberta por longos cabelos negros, que, por ventura, também cobrem suas sobrancelhas cheias e certas espinhas na testa. De estatura mediana, postura curvada e pele branca amarelada(quase cadavérica)passa despercebido. Portador de olhos marrom bosta e um olhar de peixe morto caos não instiga segundos olhares, mas observa e analisa a tudo ao mesmo tempo, com um foco e dispersão extraordinária. Dono de um corpo estático e de um grande rebuliço mental caos passa horas teorizando sobre as leis universais mais complexas. Caos vive, mata e revive paixões, opiniões e interesses com a mesma naturalidade com que se troca de estações. Caos se enxerga em todos mas se sente diferente de tudo, apessoal,sem emoções, vive eternamente personagens efêmeros. Talvez um tanto parecido com você. Vazio e profundo, frio e emotivo, de uma existência insignificante de diversos significados,filósofo e racionalista só sossega quando encontra ordem no caos.

SENTIDO


Mas vale o sentido do que o sentido
Pois sem tido o sentido
a mais sentido do que com sentido
contido o sentido estou perdido
perdido sem ter sentido
sem sentido.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

MEU UNIVERSO


Digo que poesia é linguagem universal
Diz que não entende o que eu escrevo
Digo que não me leve a mal

Não é este o universo que festejo

sábado, 14 de junho de 2014

ALGUM VAZIO


eu tenho uma fossa
um ponto que coça
algo que roça
que traça e destroça

talvez uma pulga
uma mordaça, uma faca
que rói e corrói
mas que cala, disfarça


talvez você me preencha
deixe limpo o imundo
deixe lindo o meu mundo!
ou só cave mais fundo...


domingo, 8 de junho de 2014

GAROTA-TATUAGEM


prendeu que nem nanquim
na minha pele ruim
e de picada em picada
fez de mim sua morada
marcou em mim sua imagem
te odeio

garota-tatuagem

quarta-feira, 4 de junho de 2014

CORPO


O corpo é um enlace de fibras
O corpo é um encaixe de ossos
O corpo é um suingue de sucos

O corpo não é obra nem cobra
O corpo não é doce nem torpe
Só é corpo, meu corpo torto

Meu corpo é meu porto torto
Meu ponto zero, meu ponto morto.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

BUROCRACIA


Protocolos,cancelamentos,pagamentos, assinaturas.
Mais parecem monólogos,que não se resolvem em vida atual,muito menos em vida futura.
Música de espera,haja paciência,peço com clemência,alguém me atenda,com urgência.
Atendentes mal educados e desinformados. clientes estressados.
É pra já,é pra agora,vamos logo. pode repetir o número de protocolo?
Contas e mais contas,multas e mais multas.
Que processo,e o sucesso,que teima a chegar nunca.
Vai depressa,tô com pressa,não me estressa.
E um dia que começa na alegria,termina assim,em plena burocracia. 

quarta-feira, 30 de abril de 2014

FLOR-BOLETA


flor que voa,
borboleta.
pausa,
pousa
e repousa na pena, 
cena.
faz dessa cena poesia,
minha.
e metamorfosa,
dia,
metamorfosa meu dia em palavras bonitas.
faz do sem um sol,
faz do sol um ser,
faz do ser um só,
faz do ser um sol,
faz do só um ser, um sol, faz cem!
voou... malditas musas de temperamento estourado!  






quinta-feira, 24 de abril de 2014

ALTER EUS

  
alter ego
alter eu
alterado 
ao ter eu
ao ter dois
ao ser dado
ao ser só
sendo três
sendo quatro
sendo verso 
e reverso
poli lados.

quarta-feira, 23 de abril de 2014

POESIA GEOMÉTRICA


Sou versado em poesia geométrica.
Verso,estrofe
Quadra,métrica.

Não falo de moral e ética
Ou filosofia tétrica.
Dialética!
enrolo.

Dicionarizado
Vazio e complicado
Ando em círculos
Erudito maquiado.

Abundo em redundância
Redundo em abundância.

Dono de fala módica
Sou como dízima periódica
Minuciosa e eternamente previsível
Sou raso e risível.






VERSOS DE UMA GRAVIDEZ AMOROSA


Amei sem preservativos
Engravidei de expectativas
Seu afeto virou feto
Tudo bem
Mamãe sempre quis netos
Antes corpo andrógino
Seu amor me fez completo
Alimentei com o que me desce a goela
E expulsa o reto
.
Mas tal bicho tomou corpo
Ser de interesses torpes
Parasita umbilical 
Deita em posição fetal
Me chuta de dentro pra fora
Me enche o bucho
Me arrasta, 
Me escora
.
O corpo agora atrofia
Amor que se fez desfia
Frágil, feio e torto
Aborto, aborto.

SAMURAI DAS FLORES


Me beije sua Katana
Com coisas mundanas
E filosofia insana
Samurai das flores

Como não teme a morte
E quer ser eterno?
Doce, honroso e terno
Samurai das flores

Da pena e da espada
É seu senhor e pátria
E como é pátria amada
Samurai das flores

Morte por ideais
É só um ato a mais
É o que fez e faz
Samurai das flores

Me preenche as dores
Com poesia, amores
Melancolia em cores 
Samurai das flores.






quinta-feira, 27 de março de 2014

SEREIA ESPACIAL


Serena, sereia espacial
Flutua, só nua, só tua, animal
Só bela, só dela, nanquim em tela
É lula, caneta tinteiro
É corpo inteiro
Faísca por fora entre estrela que pisca
Flameia, é chama, é vela ou só pista
Cabeleira ruiva 
Leoa nórdica
Evapora
É só sopro de poeira cósmica.